Federação Nacional dos Sindicatos de Empresas de Recursos Humanos, Trabalho Temporário e Terceirizado

  • Home
  • Notícias
  • Últimas Notícias
  • Indústria 4.0 pode gerar economia de R$ 73 bilhões ao ano - Folha de S. Paulo

Indústria 4.0 pode gerar economia de R$ 73 bilhões ao ano - Folha de S. Paulo

Existe uma transformação digital em curso em diferentes segmentos da produção industrial brasileira. 

A adoção de tecnologias conectando as várias etapas produtivas, na chamada indústria 4.0, é uma forma de frear a defasagem competitiva do Brasil e impedir que ela se amplie nos próximos anos.

Apesar de o setor reconhecer a importância dos investimentos nessa área, estudos da CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostram que ainda é baixo o percentual de empresas que já adotam ou têm a intenção de usar sistemas de conexão de dispositivos que se comunicam entre si —a internet das coisas, ou IoT— associados à análise, ao processamento de dados e à inteligência artificial. 

Segundo dados do projeto Indústria 2027, feito pela CNI em parceria com pesquisadores e universidades, somente 1,6% das 759 empresas brasileiras consultadas informou ter sistemas integrados, fábricas conectadas e processos inteligentes para subsidiar a tomada de decisão dos gestores.

Os dados setoriais também chamam  atenção. De 24 segmentos da indústria brasileira, pelo menos 14 precisam implementar com urgência estratégias de digitalização para se tornarem competitivos internacionalmente.

As informações consideram variáveis como produtividade, exportação e taxa de inovação dos segmentos, comparando-as às das maiores economias do mundo.

“O grau de inovação é bastante heterogêneo no setor. A estratégia de investimento das empresas, inclusive das grandes do modelo 4.0, ainda é gradual e por etapas”, afirma João Emílio Gonçalves, gerente-executivo de política industrial da CNI.

Isso significa que, se a empresa percebe a possibilidade de ganhar muita eficiência em uma determinada área e reduzir o custo, avalia a melhor tecnologia e a adota. Os modelos variam de acordo com porte, valor para investimento e tecnologia disponível.

Bens de capital (máquinas e equipamentos), agroindústria e automotivo são os segmentos industriais que lideram a corrida tecnológica para ampliar a competitividade dos negócios até 2027, de acordo com dados do projeto.

Entre as empresas de grande porte, o número é mais animador, de acordo com outro estudo da CNI com 632 indústrias de junho do ano passado: 73% se encontram na indústria 4.0, ainda que em estágio inicial de implantação das tecnologias —ou seja, usam ao menos um dos tipos de tecnologia digital apresentados em uma lista com 13 opções.

A automação digital com sensores para controle de processos (que pode ou não estar associada à IoT) é a ferramenta mais utilizada pelas empresas que participaram do levantamento, com foco na produção, no desenvolvimento de produtos e em novos modelos de negócio.

“O uso das tecnologias digitais é decisivo para a competitividade das empresas, com redução de custos e ganhos de eficiência, além de maior acesso ao mercado externo e integração do Brasil às cadeias globais de valor”, diz o gerente-executivo da CNI.

Números da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) dão dimensão do impacto desses ganhos para o setor. 

Com o programa Indústria 4.0 no Brasil, a previsão é de um corte de custos de, ao menos, R$ 73 bilhões por ano —sendo R$ 35 bilhões de ganho de eficiência, R$ 31 bilhões de redução de gastos de manutenção de máquinas e R$ 7 bilhões de economia no consumo de energia.

EXEMPLOS

Iniciativas para chegar a esses resultados têm acontecido em diversos segmentos, principalmente com a parceria entre grandes empresas e startups, que desenvolvem soluções sob medida.

Na mineração e na área florestal, a Maissi (Mais Soluções Inteligentes), de Santa Catarina, fornece tecnologia de IoT para empresas como a fabricante de alumínio Alcoa, além de empresas do setor de papel e celulose. São equipamentos inteligentes que controlam frotas de caminhões fora de estrada, escavadeiras que extraem minério e balanças nas fábricas, entre outros.

Com sensores e uma tecnologia de radiofrequência, as máquinas conversam entre si e fazem o monitoramento de dados de forma remota. Antes, esse controle era manual, o que significava anotar em planilhas informações como peso da carga, horas trabalhadas, veículos necessários em cada área etc.

“A precisão na coleta de dados aumenta, o trabalho é otimizado e o uso de veículos é diminuído, em alguns casos em até dois caminhões em uma área. É o fazer mais com menos, além de reduzir erros, entre o que foi planejado e o realizado, em 5%. Calcular o que é preciso para atender os mercados interno e externo com mais exatidão. A economia final fica em cerca de 10%”, explica Djeizon Müller, presidente da Maissi.

Montadoras e empresas de logística e do segmento de vidro começaram a usar recentemente embalagens inteligentes criadas pela Reciclapac, empresa de São Paulo, que desenvolveu uma metodologia de reutilização e monitoramento desses recipientes baseada em IoT.

A tecnologia é de longo alcance e baixo consumo de bateria, o que permite que os sensores funcionem por anos.

Os sinais emitidos pelos sensores chegam ao sistema de nuvem e mostram na plataforma, por meio uma espécie de “Google maps” (onde estão a empresa e seus fornecedores), exatamente onde a embalagem está.

“Além do custo de perda de produto, de em média 10% ao ano, o sistema consegue evitar que a produção contínua de uma indústria seja interrompida porque uma embalagem sumiu. Sem falar no corte de gastos com fretes de emergência”, diz Rogério Machado, da Reciclapac.

Montadoras como GM e Nissan, a autopeças MWM (motores), a fabricante de veículos pesados CNH (Case New Holland), empresas de logística, de contêineres e do segmento de vidro —caso da Cebrace, do grupo Saint-Gobain e do japonês NSG, que usa cavaletes para vidros planos transportados— já utilizam as soluções da Reciclapac.

Uma embalagem retornável dessas empresas pode custar entre R$ 3.000 e R$ 8.000 e transportar milhões de reais por ano, o que explica o interesse das indústrias em torná-las inteligentes.

Se, por um lado, as iniciativas no setor industrial aumentam, por outro, ainda há barreiras, como a questão de qualidade de conexão e a expansão da área de cobertura, para que a IoT avance em velocidade maior.

“Precisa haver não só nuvem [infraestrutura com capacidade de grande armazenamento de dados], mas também ‘neblina’ no chão da fábrica”, diz Beny Fard, diretor-executivo da Spin, primeira aceleradora de startup-indústria do Brasil, e líder de operações do Stanford Research Institute no Brasil. 

A neblina, nesse caso, explica ele, seria a infraestrutura que permite a internet funcionar no chão da fábrica.

Gonçalves, da CNI, tem a mesma avaliação. “Investimentos do setor e infraestrutura precisam acontecer em paralelo. Não adianta ter um sem ter o outro.”O executivo da confederação chama a atenção ainda para a questão regulatória no setor de telecomunicações, que exige  o cumprimento de obrigações defasadas. 

Um exemplo é a obrigatoriedade de investir e cumprir metas relacionadas à telefonia fixa em um momento em que o país tem mais celulares do que habitantes, segundo a Anatel.

Werter Padilha, representante na Câmara de IoT do MCTIC (Ministério da Ciência Tecnologia), destaca as ações do Plano Nacional de IoT, apoiado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para incrementar a inovação no Brasil e permitir que o avanço chegue às empresas de menor porte.

“A implementação de IoT na indústria demanda uma mudança não só nos processos, mas também na cultura das organizações [que ainda concentram processos internos de inovação]”, diz o especialista, ao se referir ao compartilhamento de resultados e experiências que possam servir de modelo. 

“Nesse sentido, os projetos-piloto escolhidos pelo BNDES são importantes porque vão servir de teste, serão públicos e vão disseminar o uso de tecnologias”, afirma Padilha.

Os recursos do projeto-piloto serão aplicados, por exemplo, em obras de infraestrutura de laboratórios, na compra de equipamentos nacionais, importados e de softwares e na remuneração da equipe, entre outras despesas.

No plano nacional de IoT, com estudos do BNDES e de outras entidades, a adoção dessa tecnologia no setor industrial pode trazer impacto positivo à economia de US$ 45 bilhões (cerca de R$ 170 bilhões) até 2025.

Últimas Notícias