Federação Nacional dos Sindicatos de Empresas de Recursos Humanos, Trabalho Temporário e Terceirizado

  • Home
  • Notícias
  • Últimas Notícias
  • Indústria e agronegócio têm agenda antiprotecionismo para levar à OMC - Valor Econômico

Indústria e agronegócio têm agenda antiprotecionismo para levar à OMC - Valor Econômico

O setor privado pediu ao governo para apresentar cinco propostas visando derrubar barreiras às exportações brasileiras, na revisão do Acordo sobre Medidas Sanitárias e Fitossanitárias (acordo SPS) na Organização Mundial do Comércio (OMC). Essa negociação sensível e importante para o setor agrícola deve durar todo o ano de 2019. As medidas sanitárias e fitossanitárias são normas adotadas pelos países para proteger a saúde humana, animal e a sanidade vegetal. No entanto, elas podem criar obstáculos indevidos ao comércio internacional. As exportações do agronegócio brasileiro movimentaram US$ 101,7 bilhões em 2018, que corresponderam a 42% das exportações brasileiras no período. Mas a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) calcula que barreiras impostas por outros países chegaram a reduzir 14% das vendas nacionais ao exterior, numa perda de US$ 14 bilhões.

"Barreiras disfarçadas, sem embasamento científico, estão aumentando e atingem nossas exportações", diz a gerente de Política Comercial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Constanza Negri Biasutti. Essas barreiras crescem sobretudo na Europa, na Ásia e, alguns casos específicos, nos EUA. O Itamaraty deverá levar em conta as propostas da CNA e da CNI, até porque se enquadram na decisão do governo de ser agressivo e assumir papel de liderança na revisão do Acordo SPS, pelo peso do país, globalmente, no agronegócio. Os EUA, com o qual o Brasil está alinhado, têm interesse em mais clareza nesse acordo também. Uma das propostas do setor privado visa estimular os países a aceitar o reconhecimento mútuo de medidas sanitárias e fitossanitárias. Quando os países recusarem a equivalência, precisarão explicar suas decisões. A falta desse acordo impede os produtores, por exemplo, de usar certificados sanitários de seus países e os obriga a emitir novos certificados nos país importador. Conforme a CNI e a CNA, há países que querem preservar sua própria burocracia e se recusam a reconhecer os padrões sanitários do parceiro comercial. Exemplificam que uma clara barreira sanitária e fitossanitária é imposta pela União Europeia (UE) ao não reconhecer o sistema de controle sanitário brasileiro e, por isso, deixar de comprar carne suína do Brasil. Isso ocorre apesar de a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) certificar que o Brasil cumpre com os padrões internacionais em termos de bem-estar animal e segurança alimentar.

Outra proposta é para os 164 membros da OMC estabelecerem a regionalização, ou seja, cronograma para o reconhecimento de áreas livres de pragas e de doenças. Se um país não conceder o reconhecimento e impedir a importação, deve apresentar os critérios a serem cumpridos para o país exportador obter o atestado. Essa medida reduziria casos como o embargo do Japão à carne bovina brasileira, que vem desde 2012, por causa de um caso atípico da doença da vaca louca. O Japão nunca suspendeu o embargo, embora o Brasil seja apto e exporte para outros mercados. A CNI e CNA defendem também que, quando um país adota barreira provisória e, portanto, fecha o mercado, precisa mostrar evidência científica à medida. Para evitar as barreiras disfarçadas, outra proposta é para o país importador levar em conta os pareceres técnico-científicos da OIE, da Convenção Internacional de Proteção de Plantas (IPPC) e do Codex Alimentarius.

Elas ajudam a atestar se uma área está livre ou não de pragas e doenças. As decisões passam a ser mais técnicas e menos política. O Brasil deve levar adiante também uma proposta para que os prazos para controle, inspeção e aprovação de produtos importados sejam os mesmos que os dos bens nacionais. O setor privado reclama ser comum os países usarem atrasos em procedimentos como barreiras para a entrada de mercadorias estrangeiras. "Se aceitas, essas propostas vão permitir ampliar o acesso dos produtos brasileiros no exterior e ampliar a inserção internacional e a competitividade das empresas brasileiras", diz o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Abijaodi. Para a coordenadora de Relações Internacionais da CNA, Camila Sande, "se não tivermos a OMC para regular, as perdas podem ser muito maiores do que os 14% que perdemos anualmente. Para nós, a OMC precisa ser mais rigorosa na regulação". 

Últimas Notícias