Em encontro com Temer, Alckmin tenta desfazer mal-estar sobre reforma trabalhista

glasses, book, education-1052010.jpg

Os dois se reuniram na capital paulista na última sexta-feira (24) para desfazer mal-estar causado por discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Gustavo Uribeda CNN

Após terem causado mal-estar declarações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a reforma trabalhista, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin se reuniu na última sexta-feira (24) com o ex-presidente Michel Temer.

O encontro, segundo apurou a CNN, foi promovido na capital paulista e articulado pelo ex-deputado federal Gabriel Chalita, que é próximo tanto de Alckmin como de Temer.

Segundo relatos feitos à CNN, Alckmin esclareceu a Temer que a ideia não é revogar a proposta, criada durante a gestão do ex-presidente, mas revisá-la, com a participação de diferentes segmentos da sociedade.

No encontro, Temer defendeu seu legado no Palácio do Planalto, como a reforma trabalhista e o teto de gastos, e disse que as medidas são importantes para gerar crescimento econômico.

PT vê violação eleitoral, mas avalia apoio a PEC dos combustíveis

No conjunto de diretrizes, apresentado na semana passada, o PT defendeu que seja proposta uma nova legislação trabalhista que revogue o que chamou de “marcos regressivos”.

A reunião entre Alckmin e Temer foi um primeiro aceno da campanha petista em direção ao ex-presidente.

Caso a senadora Simone Tebet (MDB-MS) não passe para o segundo turno, Lula deseja formar uma frente ampla contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), inclusive com a presença do MDB.

Um eventual apoio do MDB, contudo, não foi tratado na conversa, que serviu mais como uma abertura de diálogo de Lula com Temer.

Segundo relatos feitos à CNN Brasil, Alckmin defendeu Lula e disse que ele é um político de diálogo, o que contou com a concordância de Temer.

Procurados pela CNN, Alckmin e Temer ainda não responderam à reportagem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SINDICATOS DE EMPRESAS DE RECURSOS HUMANOS, TRABALHO TEMPORÁRIO E TERCEIRIZADO

X