FMI vê alta maior do PIB brasileiro em 2022, mas previsão para 2023 recua; projeções globais pioraram

stock, trading, monitor-1863880.jpg

Ainda assim, crescimento brasileiro este ano deve ser menor que o de quase todos os países que tiveram os dados revisados nesta terça: apenas a Alemanha (1,2%) e a Rússia (-6%) devem ter desempenho pior.

Por Laura Naime, g1

O Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou nesta terça-feira (26), para 1,7%, a estimativa para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil este ano. Em relatório divulgado em março, a previsão era de uma alta de 0,8%. Três meses antes, a estimativa era ainda menor, de alta de 0,3%.

A revisão do PIB brasileiro deste ano foi na contramão dos dados globais – para a economia mundial, o fundo reduziu a previsão de crescimento em relação ao relatório de março, de 3,8% para 3,2%.

Mesmo assim, o crescimento brasileiro este ano deve ser menor que o de quase todos os países que tiveram os dados revisados nesta terça: apenas a Alemanha (1,2%) e a Rússia (-6%) devem ter desempenhos piores este ano. Fica atrás também da estimativa para a América Latina e Caribe, que deve crescer, como um todo, 3% este ano. (veja as estimativas para os demais países e regiões mais abaixo)

Estimativas para 2023

Já para o próximo ano, a estimativa para o Brasil seguiu a tendência global, e também recuou. De uma alta esperada de 1,4% no relatório de março, o FMI agora vê uma expansão de apenas 1,1%.

Em todo o mundo, a piora nas estimativas foi um pouco mais acentuada: o fundo estima um crescimento e 2,9% do PIB em 2023, 0,7 ponto percentual abaixo do esperado no relatório de janeiro.

Explicações para a piora

De acordo com o FMI, a economia global teve contração no segundo trimestre deste ano, puxada principalmente pela Rússia (por conta da guerra na Ucrânia e das sanções aplicadas pelos demais países) e pela China (onde longos períodos de lockdowns para conter a pandemia da Covid-19 prejudicaram as atividades).

O consumo nos Estados Unidos, que ficou abaixo das expectativas, também prejudicou o desempenho da economia global, assim como a inflação.

“A inflação global foi revisada para cima graças aos preços dos alimentos e de energia, assim como duradouros desbalanceamentos de oferta e demanda, e antecipa-se que deve atingir 6,6% nas economias avançadas, e 9,5% em mercados emergentes e em economias em desenvolvimento”, apontou o FMI no relatório.

Riscos negativos

O relatório do FMI é pessimista quanto ao futuro da economia global, e aponta que os riscos para as perspectivas “estão fortemente inclinados para o lado negativo”.

“A guerra na Ucrânia pode levar a uma parada súbita das importações da gás da Rússia; a inflação pode ser mais difícil de ser contida do que antecipada – tanto se os mercados de trabalho ficarem mais ‘apertados’ que o esperado ou se as expectativas para a inflação se desancorarem –; as condições mais difíceis de crédito podem induzir ao endividamento em mercados emergentes e economias em desenvolvimento; novas ondas de Covid e lockdowns, assim como a escalada da crise do setor imobiliário, podem agravar a desaceleração do crescimento chinês; e a fragmentação geopolítica pode travar o comércio e a cooperação globais”, descreve o FMI.

Em um cenário em que esses riscos se materializem, o fundo estima que o crescimento global desacelere a 2,6% este ano, e a 2% em 2023 – o que levaria a um desempenho entre os 10% piores desde 1970.

https://g1.globo.com/economia/noticia/2022/07/26/fmi-ve-alta-maior-do-pib-brasileiro-em-2022-mas-previsao-para-2023-recua-projecoes-globais-pioraram.ghtml

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SINDICATOS DE EMPRESAS DE RECURSOS HUMANOS, TRABALHO TEMPORÁRIO E TERCEIRIZADO

X