GUEDES PEDE A EMPRESÁRIOS QUE APOIEM AS REFORMAS E NÃO AS PARALISEM

right, advocacy, lex

Valor Econômico –

Em evento pela celebração de 20 anos do Movimento Brasil Competitivo (MBC), o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu que os empresários apoiem as propostas de reforma do governo, inclusive a tributária, que propõe um aumento do imposto sobre dividendos.

“Peço que, como empresários, vocês apoiem as reformas e não as paralisem”, provocou o ministro ao lado do presidente do conselho de administração da Gerdau, Jorge Gerdau, e do o presidente da Toyota Brasil, Rafael Chang. Também participaram do evento dois ex-ministros da Indústria e Comércio, Dorothea Werneck e Luiz Fernando Furlan.

“Tem gente que acha que tem que parar as reformas, que é um ano eleitoral, que é muito complexo. Aí entra o empresário que acha que é esperto e não tá entendendo nada”, acrescentou.

Crítica a economistas

O ministro voltou a dizer que o Brasil crescerá acima de 5% este ano e criticou novamente economistas que estão projetando crescimento nulo ou recessão para o ano que vem. O ministro da economia defendeu que o país precisa estar aberto ao comércio e que isso ajuda as empresas a se tornarem competitivas. O ministro comentou que a educação é a chave para aumentar a produtividade das empresas e que o futuro é verde e digital.

“Nenhuma indústria será em 10 anos o que é hoje”, comentou Guedes. Reiterou também que o governo preferiu tirar uma nota mais baixa no fiscal para atender as demandas sociais e políticas. “Pessoas estão comendo ossos, passando fome; por isso aumentamos a ajuda às pessoas”, disse. “Parece razoável tirar uma nota um pouco mais baixa no fiscal e considerar a parte política e social”, acrescentou. “Espero que o mercado entenda.”

Guedes defendeu a estratégia do governo de encontrar espaço para aumentar os gastos por meio da PEC dos Precatórios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SINDICATOS DE EMPRESAS DE RECURSOS HUMANOS, TRABALHO TEMPORÁRIO E TERCEIRIZADO

X